top of page

Preparos de exames laboratoriais veterinários

Coleta, Transporte  e Acondicionamento de Materiais  Biológicos Veterinários.

O Alchemypet é um laboratório de análises clínicas e oncológicas veterinárias voltado para o mercado veterinário e suas necessidades.

Por meio de sistemas de qualidade como ISO e PBL, além da certificação Controllab. Atuamos junto ao médico veterinário se dedicando à saúde e bem-estar dos animais.

 

Atualmente nosso laboratório de análises clínicas veterinárias conta com equipamentos automatizados específicos para medicina veterinária, com sistemas de controle de qualidade interno e externo. Nossa equipe é formada por profissionais especializados nas áreas de Hematologia, Bioquímica Sérica, Imunologia, Microbiologia, Parasitologia, Citologia, Histopatologia e Microbiologia.

As análises realizadas em laboratório clínico tornaram-se um aliado do médico veterinário, principalmente aquele que atua na rotina clínica. Além de necessidade técnica, esses exames constituem uma ferramenta confirmativa importante, tanto para o diagnóstico quanto para o prognóstico e acompanhamento terapêutico do paciente. Os exames laboratoriais veterinários também têm grande influência na medicina preventiva, atuando como indicativos do bem-estar animal.

 

A obtenção de amostras biológicas de boa qualidade, seu armazenamento e correta interpretação são procedimentos essenciais para confirmação do diagnóstico das diversas patologias que acometem os animais. Todavia, diversos fatores podem interferir na qualidade e no resultado de tais exames, sendo que cerca de 70% deles são pré-analíticos, ou seja, ligados à coleta, conservação e transporte da amostra. Sendo assim, este manual tem como objetivo aprimorar a qualidade da amostra coletada e assegurar sua conservação e envio, garantindo melhor confiabilidade e exatidão nos resultados dos exames.

Manual de coleta de amostras veterinárias

PEDIDO DE EXAMES VETERINÁRIOS:

A ficha de requisição de exames deve ser completamente preenchida com letra legível, contendo:

  • Nome do animal

  • Idade

  • Espécie

  • Sexo

  • Suspeita clínica

  • Medicações em uso pelo paciente

  • Exames e/ou perfis solicitados

  • Nome, carimbo e assinatura do Médico Veterinário solicitante

  • Convênio e número de matrícula (quando aplicável)

 

IMPORTANTE:

> Cada uma das amostras contidas no pacote deverá ter a identificação do paciente.

> É recomendado utilizar um plástico para acondicionamento das amostras, com uma divisória para evitar
a contaminação da guia de pedido. Usar uma embalagem plástica para cada paciente.

PREPARO:

Verificar o tipo de frasco adequado para cada exame solicitado. Se necessário, consultar o portfólio de exames veterinários Alchemypet para se certificar quais amostras e frascos são necessários para cada tipo de exame.

Identificar cada frasco. Preencher corretamente a guia de requisição. Após a coleta, manter cada uma das amostras na temperatura adequada indicada neste manual.

PREPARO DO PACIENTE:

  • Evitar o estresse do paciente.

  • Observar as especificações de cada análise, utilizando de jejum quando necessário
    e seguindo o protocolo adequado de coleta.
     

IMPORTANTE:

Em filhotes, animais que pesam menos de 500g, pacientes com hipoglicemia, não é aconselhado que o jejum ultrapasse 3 horas. Atentar as características individuais de cada paciente. 

Uso do garrote: sabemos que o uso do garrote é essencial para realizar a venopunção, porém o seu uso prolongado acarreta congestão local e hemoconcentração, interferindo em diversos resultados. Para evitar este tipo de alteração, o garrote não deve ser usado por mais de 2 minutos.

VARIÁVEIS PRÉ-ANALÍTICAS

Algumas variáveis no processo de coleta do material biológico podem acabar  interferindo no resultado final e no prazo de entrega dos exames, são elas:

  • Coleta inadequada

  • Estresse do paciente

  • Idade, raça, sexo e possível gestação

  • Tempo de armazenamento da amostra

  • Volume inadequado da amostra

  • Conservantes inadequados

  • Medicações previamente aplicadas

  • Contaminação da amostra

  • Não realização do jejum antes da coleta

  • Garroteamento prolongado

  • Temperatura inadequada durante o  armazenamento  e transporte da amostra

  • Uso do frasco inadequado para coleta

  • Erros na identificação do material enviado

 

LOCAIS PARA PUNÇÃO SANGUÍNEA EM ANIMAIS

Tabela que indica o locais de punção sanguínea em animais

COLETA PARA EXAMES VETERINÁRIOS

1. HEMATOLOGIA

Material: Coleta em TUBO ROXO – EDTA (cães, gatos, coelhos, roedores, equinos, bovinos, bubalinos e suínos) ou TUBO VERDE – Heparina (aves, serpentes, testudines).

Amostra: 2 mL de Sangue Total.

 

Fazer o garrote adequado na veia de escolha; realizar a assepsia do local com álcool 70% e realizar a venopunção. Retirar a tampa do tubo Vaccutainer® assim como a agulha da seringa, e deixar o sangue escorrer pela lateral do tubo lentamente, evitando a hemólise.

 

Lembre-se de observar a quantidade ideal de sangue para cada tubo, evitando hemodiluição ou a formação de coágulos. Ao finalizar, fechar o tubo e homogeneizar por inversão lentamente de 8 a 10 vezes. Identificar a amostra corretamente e mantê-la em posição vertical. A amostra pode ser conservada em temperatura ambiente por até 12h, e em refrigeração de 2 a 8°C por até 24 horas.

2. BIOQUÍMICA SÉRICA, IMUNOLOGIA, SOROLOGIA E HORMÔNIOS

Material: Coleta em TUBO VERMELHO e/ou AMARELO. Coleta em TUBO CINZA – FLUORETO para mensuração da glicemia.

Amostra: 3 mL de Sangue Total. 

 

Fazer o garrote adequado na veia de escolha; realizar a assepsia do local com álcool 70% e realizar a venopunção. Retirar a tampa do tubo Vaccutainer® assim como a agulha da seringa, e deixar o sangue escorrer pela lateral do tubo lentamente, evitando a hemólise. 

 

Lembre-se de observar a quantidade ideal de sangue para cada tubo.

Não homogeneizar o tubo. Manter o tubo em posição vertical durante 20-30 minutos, até que haja a coagulação completa do sangue. Identificar a amostra corretamente e mantê-la sob refrigeração de 2 a 8°C até que seja enviada ao laboratório. Homogeneizar o tubo de fluoreto. 

3. COAGULAÇÃO

Material: Coletar em TUBO AZUL – CITRATO
Amostra: 3 mL de Sangue Total

Fazer o garrote adequado na veia de escolha; realizar a assepsia do local com álcool 70% e realizar a venopunção. Retirar a tampa do tubo Vaccutainer® assim como a agulha da seringa, e deixar o sangue escorrer pela lateral do tubo lentamente, evitando a hemólise.

 

Lembre-se de observar a quantidade ideal de sangue para cada tubo, evitando hemodiluição ou a formação de coágulos. Ao finalizar, fechar o tubo e homogeneizar por inversão lentamente de 8 a 10 vezes. Identificar a amostra corretamente e mantê-la em posição vertical. Identificar a amostra corretamente e mantê-la sob refrigeração de 2 a 8°C. Recomenda-se o envio imediato ao laboratório.

4. URINÁLISE, CULTURA E ANTIBIOGRAMA DE URINA

Material: Usar o frasco coletor universal estéril para coletar micção espontânea ou enviar na própria seringa lacrada em caso de cistocentese ou sondagem.
Amostra: Coletar no mínimo 1,5 mL de urina.

 

No caso de micção espontânea, aguardar o animal iniciar o processo de micção, descartando o primeiro jato e coletando o restante no frasco. No caso da cistocentese, deve ser feita a assepsia do local e realizada a punção com o auxílio da ultrassonografia guiada por um profissional altamente capacitado.

 

A própria seringa que foi utilizada na cistocentese pode ser lacrada com esparadrapo. O frasco coletor universal e a seringa devem ser corretamente identificados e acondicionado sob refrigeração de 2° a 8°C até ser enviado ao laboratório.

5. PARASITOLOGIA

Material: Usar o frasco coletor universal estéril para coletar as fezes do animal.
Amostra: Coletar de 2 a 20g de fezes.

 

Após a defecação espontânea do animal, coletar a amostra completa de fezes e acondicionar no frasco previamente identificado. No caso de fezes diarreicas, coletar o máximo de material possível. Manter o frasco sob refrigeração de 2° a 8°C até ser enviado ao laboratório.

6. FUNGOS (MICOLÓGICO)

Diversos materiais biológicos podem ser usados para pesquisa micológica, dentre eles raspado de pele, pelos, unhas, crostas, fezes, lavados cavitários e swabs seco de secreções diversas e swab em meio stuart.

 

PELOS: Coletar os pelos com a raiz com o auxílio de uma pinça anatômica em toda extensão da lesão, principalmente das bordas. Descarregar o material entre duas lâminas de vidro e lacrar todas as laterais com esparadrapo. Acondicionar em um porta-lâminas previamente identificado.

SECREÇÕES: Passar o swab seco por toda a lesão, coletando o máximo de amostra possível. Acondicionar na própria embalagem estéril do swab e lacrar com esparadrapo.

 

No caso de outros tipos de material biológico, acondicionar em frasco coletor universal estéril previamente identificado.  Todas as amostras devem ser acondicionadas em temperatura ambiente de 15ºC a 30ºC até o envio para o laboratório

7. PESQUISA DE MALASSEZIA

Material: A amostra deve ser coletada com swab estéril e lâmina de vidro.

Amostra: Passar o swab de secreção por toda extensão da lesão; até três lâminas.

 

Passar o swab estéril por toda a área lesionada, coletando o máximo de material biológico possível. Transferir o material coletado do swab para lâmina de vidro, rotacionando-o pela superfície da mesma até que todo o material seja transferido.

 

Aguardar a lâmina secar e acondicionar em porta-lâminas previamente identificado. Manter a amostra em temperatura ambiente de 15° a 30°C até ser enviada ao laboratório.

8. CITOLOGIA

Material: Squash de punção por agulha fina em lâmina de vidro.
Amostra: Coleta de células através da punção do nódulo.

Primeiro deve ser feita tricotomia e antissepsia da região em que a neoformação está localizada. Posteriormente, o profissional deve segurar com uma mão o nódulo, enquanto com a outra mão, punciona o conteúdo com uma agulha acoplada a uma seringa diversas vezes. Posteriormente, retirar a agulha, encher a seringa de ar, acoplar novamente a seringa cheia de ar à agulha e dispensar o material na lâmina. Com o auxílio de outra lâmina, é possível espalhar o conteúdo da citologia passando uma sobre a outra. Esperar secar e acondicionar as lâminas em porta-lâminas previamente identificado sob temperatura ambiente entre 15° e 30°C.

 

A citologia de pele também pode ser coletada por técnica de “imprint”. Uma lâmina deve ser precionada no local da lesão. A lâmina deve ficar abrigada da umidade e da luz até secar. Coloca-la no porta-lâminas e mante-la em temperatura ambiente até o encaminhamento ao laboratório. 

 

Em caso de citologias de líquidos, estes podem ser coletados por punção aspirativa, mantidos na própria seringa ou em frascos coletores universais, serem mantidos sob refrigeração e encaminhados ao laboratório para a realização da análise. 

 

IMPORTANTE:

Preencher corretamente a requisição informando local em que foi coletado, assim como consistência, tempo de evolução e histórico do paciente.

9. PESQUISA DE ECTOPARASITAS

Material:A amostra deve ser coletada através de raspado de pele e acondicionada em  lâmina de vidro.
Amostra: Quantidade razoável para cobrir a lâmina de microscopia.

 

 

Com a lâmina de bisturi estéril, realizar um raspado por toda extensão da lesão até que haja um leve sangramento. Descarregar o conteúdo do bisturi em uma lâmina de vidro, que deve ser pressionada contra outra lâmina e vedar os bordos da mesma, preferencialmente com fita adesiva transparente. Acondicionar as lâminas em porta-lâminas previamente identificado e manter sob temperatura ambiente de 15° a 30°C até ser enviado ao laboratório.

10. CULTURA DE BACTÉRIAS

Material: A amostra deve ser coletada em SWAB ESTÉRIL COM MEIO STUART para cultivo de bactérias aeróbicas e em MEIO TIOGLICOLATO para cultivo de bactérias anaerobicas.

Amostra: Coletar a amostras do tecido lesionado ou a ser investigado.

 

Passar o swab por toda área lesionada, coletando o máximo de material biológico possível. O swab deve ser imediatamente acondicionado na própria embalagem estéril contendo o meio stuart, e lacrada com esparadrapo. O swab deve ser corretamente identificado e acondicionado em temperatura ambiente de 15° a 30°C até ser enviado ao laboratório. O mesmo procedimento deverá ser seguido para a coleta em tioglicoato.

 

11. HISTOPATOLÓGICO

A peça a ser analisada deve ser coletada de forma estéril através de procedimento cirúrgico. O material biológico deve ser acondicionado imediatamente após a coleta em um frasco de tamanho adequado e preenchido com formol a 10%. Certifique-se que toda a peça está totalmente coberta de formol antes de lacrar o frasco. O material deve ser mantido em temperatura ambiente de 15° a 30°C em superfície plana até ser enviado ao laboratório.

 

IMPORTANTE:

Preencher corretamente a requisição informando o local em que foi coletado. Informações relevantes como consistência, tempo de evolução, histórico do paciente, espécie, raça, sexo, idade entre outros também devem ser informadas. 

 

12. BIOLOGIA MOLECULAR

Material: Diversos materiais podem ser enviados para análise molecular dependendo do agente a ser pesquisado, entre eles: sangue total, plasma, swab estéril, urina ou fezes. Consulte o atendimento Alchemypet para certificar-se do melhor material a ser coletado do seu paciente.

 

Amostra: no caso de sangue, coletar a quantidade adequada para o tubo utilizado;  fezes: 2 a 20g; urina: mínimo de 1,5 mL; swab: passar o swab por toda região afetada.

 

IMPORTANTE:

Respeitar o prazo de 21 dias após a vacinação para que não ocorra interferência com o agente vacinal.

 

13. Teste de estimulação com ACTH

ACTH aquoso sintético - canino (Synacthen®)

1. Coletar 3 mL de sangue em tubo com ativador de coágulo (tampa vermelha) para mensuração de cortisol basal; identificar o tubo como Pré ACTH;

 

2. Administrar 0,25 mg de ACTH sintético (Synacthen®) intravenoso (IV) para cães acima de 5Kg, ou 0,125 mg de ACTH sintético (Synacthen®) intravenoso (IV) para cães abaixo de 5Kg;

 

3. Após 60 minutos coletar 3 mL de sangue em tubo com ativador de coágulo (tampa vermelha) para mensuração de cortisol; identificar o tubo como Pós ACTH.

 

 

ACTH aquoso sintético - felino (Synacthen®)

1. Coletar 3 mL de sangue em tubo com ativador de coágulo (tampa vermelha) para mensuração de cortisol basal; identificar o tubo como Pré ACTH;

 

2. Administrar 0,125 mg (1/2 ampola) de ACTH sintético IV;

 

3. Após 60 minutos coletar 3 mL de sangue em tubo com ativador de coágulo (tampa vermelha) para mensuração de cortisol; identificar o tubo como Pós ACTH.

14. Teste de supressão com baixa dose de dexametasona

 1. Coletar 3 mL de sangue em tubo com ativador de coágulo (tampa vermelha) para mensuração de cortisol basal; identificar o tubo como Pré DEX;

 

2. Administrar dexametasona 0,01 mg/Kg IV (preferencial) ou IM para cães e 0,1 mg/Kg IV ou IM para gatos. Podem ser usados fosfato sódico de dexametasona (Azium-SPTM) ou dexametasona em polietilenoglicol (AziumTM);

 

3. Coletar a amostra após 4 ou 8 horas (Padrão para diagnóstico de HAC) após a administração da dexametasona para os testes 1 Pré e 2 Pós, ou apenas após 8 horas para o teste 1 Pré e 1 Pós. Identificar os tubos com os tempos (Pós 1 e/ou Pós 2).`

PRAZOS
OS PRAZOS DE ENTREGA DOS EXAMES SÃO CONTADOS EM DIAS ÚTEIS.

  • O agendamento para retirada do material deverá ser realizado exclusivamente pelo WhatsApp
    (11) 91641‑0245. De segunda a sábado  das 9:00 às 02:00 e aos domingos até as 21:00hs. Consultar os horários de retirada na sua região pelo nosso Atendimento ao Cliente ou através do seu Executivo de Contas.

  • Em caso de dúvidas sobre coleta ou interpretação de exames entre em contato com o AlchemyPet e nossa equipe irá auxiliá-lo.

  • Sempre identifique o material que será encaminhado ao laboratório.

  • Contamos com um serviço de armazenamento de amostras. Caso necessária a inclusão de algum exame, consultar nosso Atendimento ao Cliente para verificar a viabilidade da inclusão em amostra já enviada. 

  • Caso não encontre um exame em nossa tabela entre em contato com a AlchemyPet, pois mantemos a constante atualização de nosso portfólio para melhor atende-los.

  • Os seus resultados ficarão disponíveis em nossa plataforma, hospedada no site www.alchemypet.com.br que deverá ser acessada com seu LOGIN e SENHA.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

ACONDICIONAMENTO E ENVIO DE MATERIAL BIOLÓGICO

Um acondicionamento inapropriado pode resultar em deterioração do material biológico (impedindo a realização do exame), resultado alterado, quebra ou vazamento do material, rótulos molhados e ilegíveis, requisição ilegível e molhado (quando enviadas junto com o material).

REMESSA DE MATERIAL

Alchemypet Medicina Diagnóstica Veterinária

CNPJ: 34.276.623/0001-03
 

Endereço: Rua Barão do Bananal, 958 – Pompéia, São Paulo, SP CEP: 05024-000

Telefone: +55 (11) 91641‑0245

Horários: Segunda a sábado, das 9:00 às 02:00 e aos domingos, das 9:00 às 21:00.

Consulte o horário de atendimento da sua região. 

Coleta em TUBO ROXO – EDTA no caso de mamíferos, aves, serpentes e sáurios
Coleta em TUBO VERDE – HEPARINA no caso de testudines.
frasco coletor universal estéril para coletar micção espontânea.jpg
tubo_vermelho_manual_site.png
tubo_cinza_manual_site.png
tubo_azul_manual_site.png
coletor universal.png
coletor_branco_manual_site_alchemypet.png
Lamina-Microscopio-removebg-preview.png
coletor_branco_manual_site_alchemypet.png
Lamina-Microscopio-removebg-preview.png
swab_com_meio_stuart_manual_site.png
Lamina-Microscopio-removebg-preview.png
bottom of page